Melhores de 2012: Ps3 e Xbox360

Melhores de 2012: Ps3 e Xbox360

Mass Effect 3

Mass Effect sempre foi uma mistura de RPG, tiros e uma ótima história, pronto, não precisa de mais nada, já estão ai os motivos para ele ser meu jogo do ano.

Mas, Mass Effect 3 vai mais longe, ele consegue ser um dos melhores RPG`s do ano, sem dúvida o melhor shotter em terceira pessoa do ano e para finalizar, a história do capítulo final do Comandante Shepard é digna de um filme de Spielberg.

A Terra está sendo massacrada pelos Reapers, opa, digo mais, o universo inteiro está com problemas, e isso é o ponto forte da história, com um perigo tão grande e tão abrangente, não existem escolhas fáceis, cada escolha vem com seu preço, e você irá sentir cada uma dessas escolhas, algumas vezes até voltar um save antigo ao ter aniquilado um planeta todo, ou uma raça inteira com uma simples resposta.

O final dessa trilogia não poderia ter sido diferente, um jogo pesado, com um final controverso, que na minha opinião foi muito bom, pois um jogo com a complexidade de Mass Effect 3 não poderia simplesmente acabar com festa em todos os cantos da galáxia, alguma coisa foi perdida.

 

Kingdons of Amalur

Kingdom of Amalur: Reckoning

Sabe aqueles jogos que você sabe que não deve comprar, que as notas nos reviews foram baixas, que não tiveram um mega lançamento e que ninguém está falando sobre? Pois bem, esse foi Kingdom of Amalur, um jogo que não conseguiu salvar seu estúdio do fechamento, mas talvez tenha sido a melhor surpresa do ano.

O jogo é excelente, uma jogabilidade que você irá carregar com você por muito tempo, comparando todos os jogos com ele, um sistema de classes e principalmente, de inter-classes fantástico e um visual que lembra muito estar perdido em algum continente de World of Warcracft.

A história do jogo deixa um pouco a desejar, mas nada que irá te fazer desanimar, você irá fechar o jogo e continuará por muito tempo fazendo alguma side quest, uma pena o jogo ter sido tão injustiçado, acho que talvez por ter tido um lançamento tão fraco e vindo de um estúdio desconhecido, fica a dica para quem quer uma boa surpresa.

 

Dragons Dogama

Dragon Dogma

Dragon Dogma é um RPG da Capcom que te leva para um mundo medieval e mitológico muito bem construído. O grande diferencial do jogo foi a possibilidade de criar um companheiro de equipe e emprestá-lo para qualquer um dentro da rede, assim, quando você voltava para jogar seu companheiro poderia ter voltado de alguma aventura com itens e conhecimentos sobre as quests que completou durante sua estadia com outro jogador, tudo muito bacana.

O sistema de classes te permite criar o de sempre, magos, guerreiros, arqueiros e algumas variações dentro de cada uma. Mas o que chamou a atenção no jogo foram as batalhas contra monstros gigantes: ogros, dragões e grifos com uma pitadinha de Shadown of Colossus, mas só uma pitadinha mesmo. Mas falando em dragões, o jogo já começa muito bem, com um dragão arrancando seu coração e te transformando na única pessoa capaz de pari-lo, sim, é muita responsabilidade.

O jogo te empolga bastante pelas lutas, pelo visual e pelo sistema de classes, porém se perde um pouco na história durante o jogo, e para falar a verdade, até hoje não entendi o final, se alguém puder me explicar os comentários estão abertos.

Mas não se preocupe com a história, o jogo vale muito a pena mesmo com essa pequena falha, você irá perder várias horas procurando monstros gigantes para matar, e o mais legal, alguma alma santa criou todos os personagens de Senhor dos Anéis para você colocar em sua equipe, então prepare-se para lutar ao  lado de Gandalf, Gimli, Legolas, Aragorn e companhia.

 

The Walking Dead: The Game

The Walking Dead: The Game

Baseado em uma das séries de TV mais famosas atualmente, o jogo surpreendeu a todos não só pelo fato de ser uma história empolgante e divertida, mas por trazer de volta o gênero adventure de uma maneira que agradasse todo tipo de público.

A história do jogo é diferente da série ou dos quadrinhos, totalmente nova traz novos personagens e uma mecânica de jogo bem divertida. Diferente dos jogos atuais, em The Walking Dead: The game você precisa usar a cabeça e descobrir um modo de sobreviver nesse mundo devastado e cheio de zumbis sem aquela mesma história de pegar uma arma e sair atirando em tudo que se move.

Os gráficos saem da mesmice do “realismo”, mas conta com uma arte bem produzida trazendo elementos que deixam o jogador tenso, surpreso e curioso ao mesmo tempo desejando saber o que tem em cada canto do cenário.

Mas o ponto forte do jogo mesmo são suas escolhas, durante todos os capítulos desta aventura, você pode fazer escolher que vão refletir em outros episódios. Quem vive ou morre, em quem confiar, você vai ter que fazer muitas escolhas e no final de cada capítulo o jogo te da uma estatística de quantas pessoas fizeram a mesma escolha que você, e isto serve de comparação e te faz pensar se fez realmente o certo.

The Walking Dead: The Game é comprovadamente o melhor jogo do ano e a melhor surpresa também e com méritos entra nesta lista.

 

Dishonored

Dishonored

Com um visual steampunk com um toque de tecnologia, Dishonored é um jogo cheio de surpresas. A história de seu personagem parece bem comum, um homem desejando vingança sobre as pessoas que o trairam. No entanto o modo que você vai resolver seu problema é uma decisão totalmente sua, seu personagem é munido de várias armas e poderes incríveis e você pode escolher usa-los para o bem ou para o “mal”.

A diversão neste jogo, esta no fato de que você não precisa necessáriamente aniquilar todos os inimigos que aparecem na sua frente, você pode joga-lo a sua maneira e há ate mesmo a opção de não matar ninguém durante o jogo todo, mas para isso você precisa de uma boa dose de paciência.

De todos os jogos deste gênero, Dishonored é um jogo único, que te da todas as ferramentas para completar sua missão e a escolha de usa-las ou não é completamente sua e todas as missões que você enfrentará vai te dar duas escolhas distintas e levará você a uma linha tênue entre a vida e a morte de seus alvos.

Tudo isso aliado a um gráfico bonito e detalhado de uma cidade devastada pela doença e a corrupção de seus habitantes faz de Dishonored um jogaço com cadeira cativa nesta lista.

Fifa13

 Fifa 13

Considerado por muitos como o melhor jogo de futebol da atualidade, Fifa 13 ganhou seu espaço na minha pequena lista pelo simples fato de ser um jogo extremamente completo e totalmente voltado a jogatina online que eu tanto adoro.

Neste tipo de jogo, sempre haverá uma competição com o PES 2013 ou qualquer outra versão do Pro Evolution Soccer, mas mesmo eu que sempre tive uma preferencia até mesmo emocional com o Pes tive que me render pela qualidade do seu maior concorrente.

Não ouso fazer qualquer comparação gráfica entre os dois jogos, porque para mim nesse tipo de jogo os gráficos são insignificantes, o que ganha mesmo é a jogabilidade e modos de jogo disponíveis e neste ponto o Fifa 13 da um show.

Vários modos diferentes e viciantes de jogo como o Fifa Ultimate e as copas online, fazem de Fifa 13 um jogo super completo e extremamente viciante, juntando isso com as atualizações quase instantâneas de times e jogadores que proporcionam uma interação muito grande com o mundo do futebol, faz deste um dos melhores e mais completos jogos do ano.

 

journey

 Journey

Tenho que admitir que este foi um dos jogos deste ano que mais fiquei feliz em comprar, e até mais feliz do que qualquer um dos blockbusters que comprei ao longo do ano. Journey não é somente uma aventura e sim um jogo artístico de exploração e companheirismo em que você precisa explorar um mundo e encontrar respostas de quem você é e para aonde você precisa ir.

Aliado a um gráfico muito bonito e ouso dizer um dos mais bonitos jogos indie e com uma trilha sonora emocionante, Journey te leva a uma viagem intrigante em busca de uma história que não é contada com palavras.

Durante toda a sua viagem, você vai encontrar criaturas fascinantes e outros viajantes e que estão em busca de respostas assim como você, estes viajantes são outros jogadores que você não sabem quem são e o único modo de se comunicarem é através de pequenos sinais sonoros que seu personagem consegue emitir. Mas o mais impressionante é de como as coisas se conectam e como é a interação com outros jogadores tendo tão poucos elementos a sua disposição, mas depois que você descobre as vantagens de fazer amizade com estas pessoas desconhecidas você acaba criando um elo de amizade e companheirismo que pode durar toda a sua jornada.

Infelizmente somente quem tem um Ps3 vai poder participar desta aventura, então caso você não tenha experimentado esta aventura ainda não perca tempo, Journey não foi escolhido pelas melhores publicações do mundo como um dos melhores jogos a toa.

 

Sobre o Autor

decoporteira

Suas memórias de infância começam com as manhãs de sábado na locadora, quando tinha que acordar cedo, pois senão os melhores cartuchos já estariam alugados. Conheceu o mundo dos vídeo games com o Tele-Jogo, mesmo nunca sabendo que aquilo era um vídeo-game. Isso foi até conhecer seu amigo Mário, aí que a coisa começou a desandar…

STEAM: andreporteira | XBLA: decoporteira | Twitter | Mais Posts (9)

 

Previous Minecraft XBLA chega ao final do ano com 5 milhões de cópias vendidas
Next O verdadeiro centro Pokémon

You might also like

Crysis 1 esta chegando para a XBLA e PSN

Com o sucesso de Crysis 2 para os dois consoles a Crytek decidiu lançar uma versão remasterizada de Crysis para os consoles. Algumas alterações foram feitas na versão original do

O primeiro passo para jogos mais baratos no Brasil foi dado.

Alegria meus amigos foi aprovado ontem  (30/11) pela Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática (CCTCI) da câmara de deputados a proposta de enquadrar os jogos de videogame na

Momento nerd: Dia de jogo novo

Pode chamar de nerd ou qualquer outra coisa, mas gamer que é gamer fica extremamente ansioso quando compra um jogo novo, ainda mais hoje que as compras em sua maioria